15/08/10

LEALDADE A DEUS E DEDICAÇÃO A IGREJA

LEALDADE A DEUS E DEDICAÇÃO A IGREJA


Lealdade a Deus: Franqueza, sinceridade, o propósito ou consagração de fidelidade, Qualidade de fiel, sinceridade e Retidão.



Ex: Abraão quando deu seu próprio filho a Deus, Sadraque, Mesaque, Abede nego, Daniel, Samuel, Elias e Eliseu.



A. Apresentação inicial do tema



1. Como demonstra o Cristão a sua lealdade?



Sendo leais a Deus e à sua igreja. A igreja é a comunidade de todos os crentes que têm aceitado Jesus Cristo pelo laço da fé e da ação do Espírito Santo. A igreja é espiritual porque é o corpo de Cristo.

(I Co. 12:12-13).



UNIVERSAL: Porque todos os cristãos em uma forma geral ou lugares são parte dela (Ap. 5:9



VISIVEL: Porque a igreja se manifesta e testifica do Senhor, aqueles vivos e ativos e não os mortos espirituais. (Jo 17:21).



LOCAL: Porque é uma comunidade evangélica em um local determinado (At. 8:1).



2. Algumas definições e declarações (lealdade ao Corpo de Cristo).



A conduta do Cristão é própria dele e não de Cristo. Em relação à autoridade da igreja e humildade para conviver com os membros.

O Cristão precisa ter humildade para com seu líder que é à autoridade do Corpo de Cristo.



HUMILDADE: Os Gregos menosprezavam a humildade. (Tapinofrosina).

I Ts.2:6-10

Mt 18:4

At 20:19

Rm 12:16

II Co 11:7



B. Fidelidade em assistir à igreja



1. Que exemplos achamos na igreja primitiva?



Atos 2:42-47



Como primeiro historiador Cristão, Lucas nos traz ideias de como foram as primeiras igrejas, Jerusalem, Judeia, Sumária e até Ásia menor. Dentro dessas igrejas podemos observar que elas tinham uma visão e conduta dos seus membros. Essas condutas ou características, como queiram chamar, são:



 Reunião diariamente, tanto no templo como nas casas dos novos convertido;

 Ensino;

 Testemunho;

 Edificação;

 Comunhão.



2. Que vantagens temos agora quanto a esta pratica?



Podemos dizer que, as vantagens que temos em relação à igreja primitiva são:



 Os templos para estarmos reunidos na presença do Senhor.



As desvantagens:

Falta de reuniões nos lares;

Culto doméstico;

Perseverança e fidelidade dos irmãos para com a sua igreja local;

Necessidade de animar os irmãos;

Falta de compromisso.



Estas coisas se não formos perseverantes ou sábios, poderão nos atrapalhar a nossa lealdade para com Deus e à igreja. (Hb 10:23-25)



3. O que aprendemos dos salmos sobre este tema?

(Sl 84:10 e Sl 122:1)



Podemos aprender nos salmos principalmente no versículo 10 do salmo 84, a profunda satisfação em aproximar-se de Deus. Porque no Antigo Testamento somente os sacerdotes tinham o privilégio e a satisfação de estar na casa, ou seja, nos átrios de Deus. A expressão “mil fora deles” nos dar a compreensão de dedicação e adoração ao lugar.



Exemplo: adoração ao Senhor, comunhão com a família da fé, praticar os dons e crescer espiritualmente.



C. Responsabilidade de sustentar a igreja (Ml 3:10 e Mt 23:23)



1. A benção do dizimo



A Bíblia nos adverte a não dar a sobra para a obra de Deus. (Jo 3:16). Deus não poupou seu próprio filho, mas o entregou por amor aos pecados.

Muitos irmãos falam contra o dizimo e argumentam que esta pratica pertencia ao Antigo Testamento. (Gn 14:18-20). Abraão deu seu dizimo a Deus antes da lei.



 Deus prometeu e promete abundancia de benção para os que cumprissem o mandamento (Lv 27:30).



Deus exige dos profetas, ou seja, dos pastores das igrejas seus membros a dizimarem, porque em Malaquias 3:10, nos diz que roubamos a Deus nos dízimos e ofertas.

Jesus durante seu ministério comprovou esta pratica condenando os legalistas (noção de que um pecador pode por seus próprios esforços ou pelo poder do Espírito Santo em sua vida fazer alguma obra para obter ou reter sua salvação), que dizimavam somente para cumprir um requesito. (Mt 23:23).



2. Atitude correta para oferta. (I Co 16:2, II Co 9:6-8).



A palavra nos orienta e nos adverte da responsabilidade de todo membro de uma igreja cristã, é colaborar no sustento econômico de sua congregação. (I Co 16:2)



Dinheiro é uma benção que o Senhor deseja que administremos com sabedoria, principalmente, quando ofertamos para sua obra. Alguns justificam sua falta de compromisso dizendo que Deus não precisa de nossos dízimos e ofertas. Isto é certo, pois Deus é dono do Ouro e da Prata, quanto mais de nossas ínfimas posses (últimos, mais inferiores e mais baixos). Mas pela a grandeza do plano de Deus em nossa vida, em amor e misericórdia, deseja fazer-nos participadores do crescimento e da expansão do seu reino com nossas contribuições.



Exemplo: Crescimento da nossa própria vida, como escreve o escritor americano de Pensilvânia nos Estado Unidos da America, William T. George “O manejo das possessões pode ser um dos melhores testemunhos públicos daquilo esta verdadeiramente no coração”.



3. O conceito de Paulo sobre mordomia cristã



Paulo nos orienta que todo cristão passa a ser responsável pelo sustento da casa do Senhor e que os bens da igreja sejam bem administrados. (II Co 20:21)

Exemplo: Os iramos da macedônia (II Co 8:1-5). A pesar de suas pobrezas e de suas limitações “na medida de suas posses e mesmo acima delas se mostraram voluntariosos”.



Em II Co 9, Paulo exorta os irmãos de Corinto a imita-los. ( II Co 9:6-158). Este texto apresenta vários princípios sobre oferta. São:



 As bênçãos de Deus que são ilimitadas para os que dão liberadamente para sua obra.

 Deus recebe com mais agrado uma oferta pequena, mas coração, que uma grande quantia com motivos duvidosos.

 Deus é poderoso para suprir nossas necessidades quando nos preocupamos por suprir as necessidades de sua obra (Lc 6:38).



D. Lealdade e respeito aos lideres



1. Somos um corpo em Cristo e membros uns dos outros.



O principal objetivo de uma igreja cristã é se identificar como “Corpo de Cristo”. Paulo usa essa figura especialmente no capitulo 12 de primeiro Coríntios, para explicar a função ou ministério cada crente que é igualmente, importante e necessário.

Apesar de todas as palavras deixadas por Paulo nesse capitulo, isso não quer dizer que não precisamos de lideres espirituais. (At 6:1-7, At. 14:23, I Co 14:26, I Pe 5:1-5).



2. Porque devemos ser leais aos lideres da igreja? (I Ts. 5:12-13)



A igreja de Tesalonica foi fundada durante a segunda viagem de Paulo (Atos 17:1-9). Podemos observar que Paulo não permaneceu muito tempo ali, mas mesmo assim sob lideres responsáveis e dedicados e ao final da sua primeira carta Paulo pede respeito, reconhecimento, estima e amor da parte dos membros.

Paulo menciona 3 atribuições dos lideres da igreja:

 Trabalho entre vós. Não se trata dos lideres trabalharem e os membros descansarem, ou vice versa;

 Eles nos presidem, isto é, nos dirigem, vão a nossa frente;

 Admoestam-nos. Eles nos advertem, nos corrigem e nos disciplina se for necessário para o nosso bem.



3. Porque se deve obedecer ao pastor? (Hb 13:7, 17).



O livro de Hebreus nos recomenda a manter uma conduta de consideração, respeito, sobmissão e obediência com nossos lideres, especificamente para com os pastores.

O livro nos mostra as razões pela qual nós devemos ter este comportamento:

 Eles nos falam a palavra de Deus;

 Sua fé e conduta;

 Eles cuidam de nossa vida espiritual através da oração.



O pastor de uma igreja representa para a vida do cristão, como um pai de família que cuida do bem estar social de seus filho.



O pastor é a autoridade de Cristo dentro da igreja, ou seja, ele é um líder espiritual que naturalmente se preocupa em dar um alimento adequado as suas ovelhas.



E. O perigo de pertencer às sociedades secretas.



As sociedades secretas são associações que contam por milhares em tudo mundo, são grupos muitos remotos, cuja existência se encontrava tanto entre os povos primitivos, quanto na atualidade.



1. A maçonaria é uma sociedade secreta e perigosa.



As sociedades secretas são classificadas em: Religiosas, Políticas, Econômicas, Criminais e Fraternais.

Fraternais: Maçonaria é considerada como mãe de toda sociedade secreta moderna.



2. Jesus se expressou contra o secreto (Jo 18:19-24).



Anás um sacerdote do império romano. Indagou Jesus a cerca de seus discípulos e de sua doutrina. JESUS RESPONDEU: Eu tenho falado francamente ao mundo, em ensinei continuamente tanto nas sinagogas quanto no templo onde os judeus se reúnem e nada disse em oculto (V. 20).

Jesus deixou o evangelho não para ser pregado em segredo, nem tão pouco para permanecer oculto. Nós que somos cristãos não devemos perteencer a grupos secretos. Veja o que Jesus disse ao Pai em: Jo. 17-21-23, Mt 5:33-37.



3. A verdade não deve se manter oculta



JESUS se estabeleceu claramente que Ele é a verdade (Jo 14:6, Jo. 8:32).



Não é necessário que sigamos o que maçons chamam “Abusca incessante da verdade”, pelo contrario, Deus nos tem dado uma mensagem para publicar a verdade.



POR QUE NÃO SOU MAÇOM



• Não sou maçom porque entendo que em Jesus Cristo e Sua Igreja, tenho tudo de que preciso como pessoa: uma doutrina sólida, uma família solidária e razão para viver e servir.

• Não sou maçom porque minha lealdade a Jesus Cristo e sua igreja é indivisível, exclusiva e inegociável.

• Não sou maçom porque entendo serem incompatíveis com os ensinos da Bíblia e da teologia cristã, ritos, símbolos, atos iniciáticos e compromissos da Maçonaria.

• Não sou maçom porque sou livre para falar e viver toda a verdade sobre que minha fé assenta, para vivenciar todo amor que a Palavra de Deus e o exemplo de Jesus Cristo me inspiram, e para servir, firme na esperança da volta gloriosa de Jesus, ou de minha entrada em Sua presença, não por causa das boas obras que haja praticado pois são decorrência da salvação, mas pelos méritos de Jesus Cristo, no Calvário.

• Não sou maçom porque creio que nenhuma filosofia, nenhuma teosofia, nenhuma Invenção do engenho humano podem substituir ou suplantar a riqueza das Sagradas Escrituras, a simplicidade e beleza do Evangelho da Graça de Deus e a beleza da Igreja, como a mais gloriosa entidade, Noiva de Jesus Cristo, vivência da Humanidade deutero-adâmica.

• Não sou maçom. Mas amo os maçons e desejo para eles a verdadeira fé em Jesus Cristo e a salvação que só Jesus pode dar.

• Não sou maçom. E pelas razões que exponho, ao abrir-se minh'alma, desencorajo os crentes e apelo aos irmãos que se tornaram maçons, a repensarem sua posição e a abandonarem a Maçonaria, pois Jesus Cristo requer e merece nossa inteira lealdade.

• Respeitarei a decisão dos que resolverem manter-se na Maçonaria, estimulando-os, no entanto, a refletirem sobre o que lhes digo nesta escola e sobre obras importantes que têm sido produzidas, por fiéis homens de Deus, sobre o mesmo tema.



Mística: Estudo das coisas divinas e espirituais; devoção religiosa.

Crença fanática em uma ideia, doutrina, pessoa.


Místico: Referente ou próprio das experiências do misticismo. Que pratica o misticismo.



Misticismo: Estado Espiritual de união com o divino, sobrenatural; doutrina que afirma a possibilidade dessa união; religiosidade profunda.

Nenhum comentário: